Ele era tão incrível quanto terrível. Quando estava com ele sentia entusiasmo, alegria. Mas, para ser honesta, sempre foi uma relação de altos e baixos. Às vezes, parecia bom demais para ser verdade e, momentos depois, facilmente percebia que era mesmo. Apesar de tudo continuei, continuei porque me preocupava. Preocupava-me muito com ele, em demasia até. Preocupava-me com a felicidade dele, mais do que com a minha. Queria protegê-lo, mais do que me protegia a mim própria.

Inevitavelmente acabou por me magoar. Inocentemente fiquei por perto, o meu afeto cresceu e fiquei de coração partido. Não o culpo. Estávamos dessincronizados desde o início. Ele tinha as merdas dele e eu tinha as minhas. Pediu desculpa. Talvez estivesse mesmo arrependido, mas o que verdadeiramente importava, era a forma como eu lidaria com as coisas daqui em diante.

Os homens voltam sempre, mesmo que a coisa não seja séria. Todos voltam. Todos eles voltam ao contacto. Mas isso não significa que tu devas ceder a aceita-lo de volta rapidamente.

Claro que no início vais ficar entusiasmada. Provavelmente começas logo a pensar no quanto sentes a sua falta. Ficar a remoer lembranças pode vai sugar-te a energia e deixar-te ansiosa pela sua atenção. E, de repente, já esqueceste a forma como te tratou no passado.  A dor, a deceção.

Tu és a única que controlas e decides o que fazer. Não precisas de deixar que te magoe outra vez. Não precisas de argumentar. Algumas pessoas estão simplesmente destinadas a entrar e a sair das nossas vidas. Há uma lição em cada experiência. E em cada experiência, há momentos que nos moldam e nos transformam nas pessoas que somos.

Magoamos pessoas, todos nós magoamos pessoas. Não se trata de culpar ninguém, é inevitável que nos desapontemos uns aos outros, seja intencional ou não.

Deixa o passado permanecer no passado e segue em frente:

  1. Viaja para fora do país.
  2. Viva numa cidade nova.
  3. Curta com um estranho.
  4. Escreva coisas.
  5. Medite.
  6. Sorria às pessoas.
  7. Assista a uma aula de pintura.
  8. Dançe como uma louca frente ao espelho.
  9. Corra lá fora.
  10. Visite um museu.
  11. Desenhe alguma coisa.
  12. Crie uma receita original.
  13. Corra riscos.
  14. Segue a ti mesma.

Ele partiu-te o coração. A deceção tirou-te o fôlego. Sentiste-te sem esperança e sozinha. Culpaste-te e perguntaste-te se havia algo que pudesses ter feito de diferente.

Perdoa-o e segue em frente. E não deixes que te ele magoe outra vez.

Texto por Alyssa Lynn Malmquist, originalmente publicado no ThoughtCatalog, livremente traduzido e adaptado para este site.