Com quase 27 anos, apercebo-me do facto de que tenho sido solteira a maior parte da minha vida. Embora isto nem sempre tenha sido claro, foi porque era isso que eu queria.

A minha realidade foi o resultado de escolhas e ações, que fiz ao longo do caminho. Escrevi muitas vezes sobre não me acomodar e isso é algo que pratiquei diariamente.

Agora, percebo que os relacionamentos mais empolgantes que tive, foram os menos sérios.

E embora eu esteja aberta à possibilidade de ter uma relação que vá muito além disso, comecei verdadeiramente a apreciar o lado positivo de uma relação não exclusiva.

Tive muitas experiências. Algumas de partir o coração, outras que me enfraqueceram, algumas engraçadas demais para não contar, e outras impossíveis de esquecer.

Aqui estão os 27 tipos de homens, que vais encontrar até aos 27:

  1. O idiota inexperiente
  2. O idiota experiente
  3. A boa foda
  4. A foda média
  5. O tipo que os teus amigos odeiam
  6. O tipo que é estranhamente próximo da mãe
  7. O tipo que é estranhamente próximo da irmã
  8. O tipo que é estranhamente próximo do cão
  9. O tipo com o qual a tua família fica nervosa
  10. O tipo que fica explosivo quando bebe
  11. O tipo com problemas de autoestima
  12. O tipo obcecado por dinheiro
  13. O tipo com o dobro da tua idade
  14. O tipo que te manipula
  15. O tipo que fala pelos cotovelos
  16. O tipo que é tóxico ou que te suga a energia
  17. O tipo que é pouco atraente, mas é muito simpático
  18. O tipo que é atraente, mas não vale nada
  19. O tipo que gosta de jogos
  20. O tipo que age de forma imatura em público
  21. O tipo que gosta de causar problemas
  22. O tipo que mente
  23. O tipo que age de forma diferente quanto está sozinho contigo vs. em ambiente de grupo
  24. O tipo a quem enviaste mensagem quando estavas bêbeda
  25. O tipo que quer poligamia
  26. O tipo que é obcecado por ele mesmo
  27. O tipo com um fetiche estranho

Espera, isto é tudo mau? Não, claro que não. Com o mau vem o bom. Às vezes mais bom do que mau e às vezes mais mau do que bom.

  1. O tipo que te diz que te ama
  2. O tipo que diz que se preocupa contigo
  3. O tipo que te surpreende
  4. O tipo que conhece os melhores restaurantes
  5. O tipo com quem tens uma química instantânea
  6. O tipo que se importa com o teu futuro
  7. O tipo que adora a tua família
  8. O tipo que cozinha para ti
  9. O tipo que faz com que sintas que vocês são as duas únicas pessoas no mundo
  10. O tipo que desperta o que há de melhor em ti
  11. O tipo que te faz sentir viva
  12. O tipo que te faz sentir bonita
  13. O tipo que te faz sentir desejada
  14. O tipo que planeia aventuras emocionantes
  15. O tipo com um grupo de amigos imenso
  16. O tipo com confiança
  17. O tipo que te faz perguntas
  18. O tipo que se lembra dos pequenos detalhes
  19. O tipo que é incrivelmente inteligente
  20. O tipo que é incrivelmente doce
  21. O tipo que se dá bem com os teus amigos
  22. O tipo que abre a tua mente para novas opiniões
  23. O tipo que te compreende
  24. O tipo por quem farias qualquer coisa
  25. O tipo que faria qualquer coisa por ti
  26. O tipo que te encoraja
  27. O tipo que cria raízes por ti

Afinal não é tudo mau.

Eu tive muitos tipos maus com coisas boas à mistura. Mas também tive tipos muito bons, com uma pitada de maldade.

Seja como for, cresci com todas as relações e procurei aprender algo com cada uma delas.

Se acho que as pessoas são más? Não todas. Acredito que pessoas boas podem fazer coisas más, que consequentemente podem magoar outras pessoas.

No fundo, tudo se resume ao sítio onde estamos relativamente às experiências, à exploração e à autodescoberta.

Quando não estás feliz contigo mesma, isso reflete-se na forma como tratas os outros. Quando não tiveste experiências suficientes, nem sempre sabes o que fazer com as situações que vão surgindo, especialmente se não te sentires familiarizada com elas.

Talvez seja explorando os altos e baixos das relações, que nos preparamos para esse alguém, com quem podemos crescer e partilhar a verdadeira compatibilidade.

Como referi no meu último artigo, não precisa de haver compatibilidade para haver amor.  No entanto, a compatibilidade é absolutamente necessária para que a relação possa ser duradoura e ter substância.

Estamos constantemente a mudar e a evoluir, e só porque a nossa linha do tempo não corresponde à da pessoa com quem namoramos, não significa necessariamente que a possamos catalogar como sendo negativa ou ofensiva.

O tempo é uma componente essencial nos relacionamentos. As nossas experiências passadas, e a forma como nos tratamos a nós próprias, traduzir-se-ão no resultado direto de como tratamos os relacionamentos vindouros.

Portanto, não importa a tua idade ou experiência vivida até agora, agradece cada uma delas. Elas são importantes e tu também.

Experimenta o máximo que puderes, enquanto puderes. Remove o estigma negativo associado ao facto de seres solteira.

O teu caminho está a seguir o curso que é suposto.

Texto por Alyssa Lynn Malmquist, originalmente publicado no ThoughtCatalog, livremente traduzido e adaptado para este site.

Gostou de ler este artigo? PARTILHE com alguém que possa gostar dele e encontre outros artigos de Relacionamentos aqui.